Polícia Civil investiga empresa por suposto desvio de cargas

 

A Polícia Civil, através da Divisão de Furtos e Roubos de Cargas da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), após  investigação, deflagrou a Operação Varredura, que realizou a apreensão de  119 toneladas de fertilizantes que estavam estocados em armazéns  de São Francisco do Sul.

A ação contou com o apoio da Polícia Rodoviária Federal de Pirabeiraba e de Bataguassu/MS. De acordo com as investigações, a empresa logística recebia a carga que tinha como origem a Noruega e o destino final em uma empresa do Mato Grosso do Sul, onde durante o processo de armazenamento, a empresa logística desviava parte da carga e a revendia como sobra de fertilizantes resultante da limpeza de equipamentos e da movimentação de carregamento ou ensaque.

Durante as buscas, três caminhões carregados foram apreendidos, um na própria empresa logística, em São Francisco do Sul e outros dois já a caminho das empresas compradoras, em Joinville e Bataguassu/MS. Até  o momento ninguém foi preso, a Polícia Civil informou que está apurando a responsabilização criminal dos envolvidos.

As empresas que tiveram os nomes envolvidos no caso emitiram uma nota de esclarecimento.

Inicialmente, destacamos que até o momento a SFLOG e a TSC não receberam qualquer tipo de intimação, notificação ou qualquer outro documento que faça referência a suposta “Operação Varredura”, não sendo do nosso conhecimento o teor das acusações vinculadas pela DEIC.

Muito nos surpreendem as informações divulgadas pela DFRC, bem como os procedimentos truculentos e atípicos que tem sido adotados, vez que a apreensão de dois caminhões da nossa frota ocorreu de maneira totalmente arbitrária, sem qualquer fundamento e sem que nos fossem prestadas quaisquer informações.

Esclarecemos que somos responsáveis por armazenar produtos a granéis sólidos importados de vários clientes em nossos terminais em São Francisco do Sul, SC, bem como temos a obrigaçao de preservar todos os produtos e devolve-los da mesma forma que recebemos e fomos confiados para armazenar, razão pela qual inexiste qualquer lógica ou razoabilidade nas acusações feitas pelo DFRC.

Segundo a informações veiculadas pela DFRC, nós estaríamos furtando de nós mesmos, uma vez que, na hipótese de falta do produto, seja por furto, roubo, sumiço ou perda, somos obrigados a restituir todos os valores aos clientes pelo valor de venda final.

Temos um rigoroso controle de estoque, que é fornecido a todos os clientes diariamente, e não temos NENHUM produto que esteja faltando no armazém, inexistindo qualquer reclamação ou questionamento por parte dos nossos clientes quanto ao não cumprimento dos nossos contratos.
Seguimos rigorosos procedimentos de qualidade para garantir que o produto a nós confiados seja devolvido da mesma forma que recebemos.

Como a própria DFRC informou, Varredura é sobra de fertilizantes resultante da limpeza de equipamentos da produção, instalações ou movimentações de produto. Todos os caminhões retidos, estão com cargas de Varredura, com destino ao destinatário final.
Estamos perplexos com esta operação absurda, totalmente equivocada, que coloca em xeque nossa lisura ao longo dos mais de 30 anos de atuação no mercado.

Lamentamos profundamente pelas ações da DFRC que, antes mesmo de nos ouvir ou de nos informar o teor do objeto da operação, veiculou acusações Infundadas, tendo ferido gravemente nosso direito de defesa.
Destacamos que estamos adotando todas as medidas judiciais cabíveis, para que todas as questões sejam esclarecidas e as inverídicas acusações desmentidas, vez que não restam dúvidas quanto à legalidade da nossa conduta e da lisura dos nossos atos.

Diante dos fatos, vamos seguir em frente, trabalhando ainda mais, com mais empenho do que nunca, na certeza que a credibilidade construída ao longo das décadas não será abalada por essas acusações inverídicas.
Muito obrigado a todos que nos conhecem, que sabem de nossa história e que nos tem apoiado nesse momento.

//

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.